Conversando sobre artes marciais japonesas - Parte 8

Olá!

(^_^)

O que tem em comum Karatedō, Kobudō e o Iaidō?

Quem respondeu todas são “Budō”, ou seja, todas são “vias marciais”... está coberto de razão!

Para entender o significado de “Budō” e, por consequência, do “Dō” em si, é necessário conhecer um pouco da história das artes marciais japonesas e sua evolução.

No Japão antigo o termo utilizado para designar as artes marciais era Bujutsu. Atualmente a expressão Budō é utilizada para este fim.

Vejamos ambas as palavras e suas respectivas traduções:

Kanji: 武術
Kana: ぶじゅつ
Rōmaji: Bujutsu
Hepburn: Bujutsu

武 BU [ぶ] (bú): “guerra(s)”, “militar(res)”, “marcial(ais)”;
術 JUTSU [じゅつ] (djútsú): “arte(s)”, “técnica(s)”.

Kanji: 武道
Kana: ぶどう
Rōmaji: Budou
Hepburn: Budō

武 BU [ぶ] (bú): “guerra(s)”, “militar(res)”, “marcial(ais)”;
道 DŌ [どう] (dôô): “via(s)”, “caminho(s)”.

Sendo assim, temos:

武術 BUJUTSU [ぶじゅつ] (búdjútsú): Artes de Guerra, Artes marciais, Artes Militares;
武道 BUDŌ [ぶどう] (búdôô): Vias Marciais, Caminhos Marciais.

Os ideogramas para Bujutsu são originários da China, onde são conhecidos (lidos) como Wǔ-shù.

Analisando e traduzindo os ideogramas chineses que compõe a palavra Wǔ-shù, temos:

武 Wǔ: guerreiro, militar, marcial, cavalaria, armas; 
術 Shù: técnica, habilidade, média(s), arte(s). 

Ou seja, “Arte(s) Marcial(ais)”.

Wǔ, por sua vez, é composto por outros dois ideogramas (transcrições em Chinês e Japonês respectivamente):

戈 Gē | KA - alabardas, machados, armas.
止 Zhǐ | SHI – parar, deter.

Ideogramas que expressam a ideia de “deter as armas do inimigo”. Então, por "arte militar" os orientais entendem "uma forma de parar as armas dos inimigos" ou "uma forma de parar um combate ou hostilidades".

Ou seja, a "arte marcial oriental", visa evitar o combate ao máximo, mas estando preparado para usar o poder bélico para manter a paz social. 

Voltando ao contexto japonês, quando falo em Bujutsu, estou dizendo que é um termo que designa artes marciais japonesas “tradicionais”, ou seja, estou falando nas 18 artes marciais, nas Bugei Jūhappan, já mencionadas em uma postagem anterior e que no Japão também são referidas como “Artes Nacionais”:

No ocidente, dividimos nosso calendário entre antes e depois de Cristo. Da mesma forma, as práticas marciais japonesas podem ser divididas em antes e depois da Era Meiji.

Em 1868, quando termina a Era Edo e começa a Era Meiji, acontece a “Restauração Meiji” (Meiji-ishin), onde o governo Meiji redireciona todas as Bujutsu tradicionais, modificando-as para Budō. 

Portanto, todas as artes marciais japonesas, que até então eram conhecidas como Koryū Bujutsu (“Escolas Antigas de Artes Marciais”) passaram a ser chamadas Gendai Budō (“Vias Marciais Modernas”). 

Portanto, falar em Budō é falar também em “Gendai” expressões que são utilizadas para designar as Vias Marciais Japonesas Modernas.

Sendo assim, Bujutsu denota treinamento técnico realizado nas antigas escolas japonesas (Koryū) de artes marciais destinado a “vencer/matar outro(s) homem(ns) no campo de batalha”. Enquanto, Budō implica em “criar elementos úteis à sociedade com uma retidão marcial”...

Além disso, usar o termo Bujutsu para designar qualquer arte marcial praticada em nossos dias é algo completamente fora de contexto histórico, pois vale relembrar:
“Em 1868, quando termina a Era Edo e começa a Era Meiji (...) o governo Meiji redireciona todas as Bujutsu tradicionais, modificando-as para Budō. Portanto, todas as artes marciais japonesas passaram a ser chamadas Gendai Budō (...).
Para que se entenda melhor a mudança de Bujutsu para Budō, transcrevo uma explicação que me parece bastante esclarecedora feita por Goulart (2008):
“(...) Criadas para matar outras pessoas, o objetivo principal das “Bujutsu” ("Artes marciais") era vencer no campo de batalha, matar o inimigo ou causar o maior dano possível ao oponente. Inúmeras escolas desenvolveram as suas técnicas (“Jutsu”), definiram os seus sistemas, deixando os seus conhecimentos para a geração futura através de representantes ou de documentos escritos. 
(...) Naturalmente, ninguém, nenhum país pode manter-se em guerra constantemente; as pessoas, as culturas e ideias evoluem. E isso aconteceu também ao Japão. As guerras civis, o Sengoku-jidai, acabaram e não havia mais razão para manter um governo militar no Japão. 
Restaurado o poder do Imperador japonês na Era Meiji, a classe Samurai foi extinta! As Koryū Bujutsu acabaram! As Gendai Budō começaram! (Isto é muito importante no contexto das artes marciais japonesas.) 
(...) Budō literalmente significa "Vias Marciais", mas é também uma forma de dizer: "Não estamos em guerra, mas preservamos a nossa identidade guerreira". Então as escolas Dō substituíram as velhas escolas Jutsu, dando maior relevância ao ambiente social japonês. Os nomes antigos foram adaptados para representar a evolução das artes marciais japonesas. 
Assim, o Iaidō substituiu o velho Iaijutsu, o Kendō substituiu o velho Kenjutsu, e assim por diante.  
O Karate, por sua vez, não sendo uma arte marcial japonesa antiga (Koryū Bujutsu), e tendo chegado ao Japão bem depois de todo este processo, simplesmente adicionou o sufixo "Dō" para seguir a mesma evolução e filosofia, tornando-se Karatedō.” (GOULART, 2008)
Alguns comentários pertinentes...

Não há uma data específica para a transição das Bujutsu em Budō. O que podemos “especular” é que teria provavelmente ocorrido no final do xogunato Tokugawa e princípio da Era Meiji (século XIX).

Podemos afirmar que esta transformação das artes antigas em artes modernas é uma consequência natural de uma mudança de mentalidade governamental moderna, afastando-se do sistema de governo anterior.

A eliminação das classes sociais antigas e, posteriormente, popularização de atividades que outrora eram exclusivas dos Samurai deram um novo impulso e nova perspectiva à prática marcial japonesa, hoje difundida mundialmente.

Diferente das artes marciais japonesas que foram usadas nos campos de batalha (Koryū Bujutsu), onde a unificação do Japão foi inequivocamente decidida, as vias marciais modernas (Gendai Budō) passam a se adaptar a uma sociedade de paz, harmonia e desenvolvimento nacionais.

Note-se que todos os nomes: Karatedō, Kobudō, Iaidō e Budō... possuem ao sufixo “Dō”...

Kanji: 道
Kana: どう
Rōmaji: Dou
Hepburn: Dō

Kanji que é traduzido como:

道 DŌ [どう] (dôô): “via(s)”, “caminho(s)”.

Mas o que esta "via", ou "caminho" significa?

Muito se diz sobre a “mística” do ideograma Dō, a respeito da “via”, do “caminho”, mas, como disse anteriormente, esta alteração de sufixos (de “-Jutsu” para “-Dō”) é uma consequência natural da evolução da própria sociedade japonesa, sem qualquer vínculo com significados transcendentes, místicos ou sobrenaturais.

Na realidade o Dō, a “via”, o “caminho”, dentro do contexto em que surgiu, significa simplesmente um novo "modo de vida" e nada mais. É uma busca por "orgulho pessoal e espírito nacional". O Dō simplesmente expressa que agora, neste ponto da história japonesa, as artes marciais japonesas preparam as pessoas para todos os aspectos da vida social e não apenas para a guerra no campo de batalha.

Pode haver outras interpretações mais “românticas” do que seriam as Bujutsu e as Budō? Claro que sim! Mas sou inclinado a ser mais racional (coisa de gente “insensível” talvez...).

Denis Andretta
Porto Alegre/RS
26 de fevereiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Destaque

Entrevista com Kenzō Mabuni

Kenzō Mabuni 1. Quando teu pai começou a praticar Karate? Quando tinha 13 anos.  2. Quem foram seus professores? Itosu Sensei e Hig...