Conversando sobre artes marciais japonesas - Parte 4

Olá!

(^_^)
“Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha.” (Confúcio)
Acredito muito nesta máxima...

Então, vamos lá... transportar nosso punhado de hoje!

Até aqui já vimos...
  • A importância das pesquisas;
  • Que não há conhecimentos definitivos;
  • Que existe a necessidade de manter uma justa relação entre a teoria e prática;
  • Que é preciso conhecer pelo menos o básico a cerca da terminologia;
  • Que se deve utilizar um Sistema de Romanização para transcrever os Kanji e Kana para o nosso alfabeto romano;
  • Informações básicas sobre o que é Kanji e o que são Kana;
  • As características, a escrita correta e os sons dos Kana dentro do Sistema Hepburn de Romanização.
Um bom começo.

Hoje falarei sobre alguns conceitos básicos que precisam ser “ajustados”, antes de seguirmos:
  1. Em japonês não há artigos (o, a, os, as, um, uma, uns, umas).
  2. Em japonês não há gêneros (masculino ou feminino).
  3. Em japonês não há plural ("s" no final das palavras).
  4. Em japonês não há palavras que terminem com consoantes isoladas (a única exceção é "n", que aparece sozinho).
E por que estou dizendo isso? 

Simples...

A maioria dos ocidentais quando escreve livros, Sites, Blogs, etc, sobre Artes Marciais teimam em escrever os termos japoneses no plural. Exemplos: Katas, Senseis, Dōjōs, etc.

Vou repetir: “Em japonês não há plural ("s" no final das palavras)”!

Vamos a um exemplo concreto.

Já encontrei por aí situações em que autores (de livros, Sites, Blogs, etc) escrevem "os Katas"... a que outros contrapõem... "os Katas não! o correto é as Katas!" 

Bom... se não há artigo em japonês, "os" ou "as" é indiferente. 

Agora... “Katas”... isso não existe!

Assim, a forma correta de escrever isto pode ser: “Os Kata” ou “as Kata”, sem o "s" final.

Sei que isso soa mal aos nossos ouvidos acostumados ao plural da Língua Portuguesa, porém não é difícil de acertar as coisas... é tudo questão de prática.

Como também não há palavras que terminem com consoantes isoladas, com exceção do "n"... é normal vermos por aí: Kihon, Sanbon, Sanchin, etc. Contudo, “Onegaishimass”, “Oss”, “Arigatō-gozaimass”, etc, está errado... Todos estas palavras são terminadas com o Kana “す”, ou seja, “SU”.

Porém, o que a maioria das pessoas não sabe é que o "u" final das palavras japonesas "geralmente" é mudo (não se pronuncia). Ou seja, mesmo que a transcrição fonética correta seja "Onegaishimasu", pronunciamos "onegaiximass", mesmo que se escreva "Osu", pronunciamos "oss", ainda que utilizemos a escrita "Arigatō-gozaimasu", pronunciamos "arigatoo-godzaimass", e assim por diante.

Algumas pessoas se contrapõem a utilização de “Onegaishimasu”, “Osu”, “Arigatō-gozaimasu”, dizendo que este "SU" atrapalha no ensino da pronuncia das palavras e que usar “Onegaishimass”, “Oss”, “Arigatou-gozaimass” facilita a compreensão por parte dos brasileiros...

Bom... eu dou aulas para crianças, a partir dos 6 anos, há muito tempo e digo por experiência própria que não é necessário mais do que explicar, uma meia dúzia de vezes, que se escreve “Onegaishimasu”, mas se diz “Onegaishimass”, por exemplo, para que elas assimilem esta informação.

Alguém pode comentar: “Muita frescura tudo isso!”

E questionar: “Por que eu deveria perder tempo com este tipo de coisa?”

Para mim a resposta é bem simples...

Para fazer as coisas certas, mostrando o comprometimento, o esforço e a seriedade... que são inerentes a um artista marcial.

Denis Andretta
Porto Alegre/RS
29 de janeiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.