Jutsu, Dō & Hō... Três conceitos interessantes!

As artes marciais japonesas sempre estiveram ligadas diretamente à guerra, à luta de homem contra homem. Com o passar do tempo, as verdades dos campos de batalha foram transformadas em conceitos, que foram transmitidos de geração em geração.

Estes conceitos são fundamentais para as artes marciais japonesas e são muito interessantes a nível de prática e ensino de determinadas escolas.

Os conceitos carregam a “tradição” das artes marciais japonesas, indicando o caminho a seguir e a forma como deve ser seguido.

Na medida das possibilidades, iremos (re)ver alguns conceitos que consideramos importantes.

Para começar abordaremos três conceitos básicos: Jutsu, Dō e Hō. Porquê ainda hoje, muitas pessoas não entendem a diferença entre estes conceitos japoneses.

É muito fácil falar sobre eles horas sem fim, mas, com o objetivo de dar uma visão clara a respeito dos mesmos, faremos uma breve explanação, posicionando-os na história das artes marciais japonesas.

Estes conceitos podem ser facilmente entendidos como se fossem os degraus em uma escada.


Kanji: 術
Romaji: Jutsu
Hiragana: じゅつ
Tradução: “arte”, “técnica”.
Leitura: “djútsú”.

Jutsu - "Arte / Técnica" - é o primeiro degrau. É a técnica necessária para atingir determinado fim, ou seja, um grupo de técnicas que dão origem a uma determinada "Arte". É apenas o "Le savoir-faire", o "Know how", o "Saber como fazer".

Inúmeros instrutores hoje em dia dizem que praticam alguma arte “Jutsu” (Aikijutsu, Kenjutsu, Iaijutsu, Jūjutsu, Kobujutsu, Kyūjutsu, etc.)… e realmente acreditamos que eles o façam. Mas, neste ponto da evolução das artes marciais japonesas, pelo estudo da história Japonesa, sabemos que o Governo Meiji redirecionou todos os Bujutsu tradicionais para "...desenvolver um senso de orgulho pessoal e espírito nacional" modificando as "artes"-Jutsu pelas "artes"-Dō.

Desta forma, Jūjutsu tornou-se Jūdō; Kenjutsu tornou-se Kendō; Aikijutsu tornou-se Aikidō, e assim por diante.

Sendo assim, diríamos que praticar qualquer "arte”-Jutsu atualmente é um tanto "fora de contexto" histórico do desenvolvimento das artes marciais japonesas. Porém, como sempre dizemos... é tudo uma questão de escolha (um pouco de pesquisa e conhecimento) pessoal.

Assim, no período Meiji apareceu Dō - "A Via, O Caminho", o segundo degrau da nossa escada evolutiva das Artes Marciais Japonesas... 

Kanji: 道
Romaji: Dō
Hiragana: どう
Tradução: “via”, “caminho”.
Leitura: “dô”.

Mas o que esta "Via", ou "Caminho" significa?

Algumas pessoas, por falta de conhecimento a respeito do assunto em questão, lançam o termo Dō para os limites do sobrenatural, para as raias da transcendência, da mística oriental... Quando na realidade o Dō, a “Via”, o “Caminho”, dentro deste contexto em que surgiu, significa simplesmente "Modo de vida" e nada mais - são aqueles "orgulho pessoal e espírito nacional" mencionados anteriormente. Expressa que a partir de então, as artes marciais japonesas preparam as pessoas para todos os aspectos da vida social e não apenas para a guerra no campo de batalha.

Lembremo-nos dos fatos históricos: Sengoku-Jidai ("A era de Guerras") e os Samurai já não existem! Estamos entrando no começo da Meiji-ishin, "Restauração Meiji", sob a regência do imperador e, consequentemente, os Daimyō ("Senhores feudais") e os Shōgun ("Generais militares") também já não existem! 

Agora, neste ponto da história japonesa, as artes marciais japonesas preparam as pessoas para todos os aspectos da vida social e não apenas para a guerra (aquele "belicismo", a aura "marcial", a "arte da guerra", os "Jutsu" apregoados por inúmeros instrutores que ainda não compreendem, não conhecem ou não fazem a mínima ideia sobre a evolução marcial japonesa dentro do seu aspecto histórico e social). 

Agora, permitam-nos algumas questões simples: 

Os Samurai existem atualmente? Sem dúvida, a sua resposta natural será: "Não! Os Samurai já não existem." 

E por que eles não existem? "Porque nós sabemos que historicamente a sua classe foi abolida pelo governo Meiji...

Sendo assim... qualquer "arte"-Jutsu existe atualmente? Eis a controvérsia! (Não vamos entrar no mérito da questão nem falar sobre o que leva ou não as pessoas a escolherem esta ou aquela arte.)

A realidade é que - neste ponto da história - a sociedade japonesa necessita de indivíduos forjados na arte da guerra que sejam capazes de servirem às obrigações sociais e governamentais. 

Por fim, temos o último degrau da nossa escada:

Kanji: 法
Romaji: Hō
Hiragana: ほう
Tradução: “lei”, “princípio”, “doutrina”.
Leitura: “rrô”.

Hō "Lei / Princípios / Doutrina". Hō refere-se aos "Aspectos religiosos" das artes marciais japonesas que vão além do normal "Modo de vida". Todas as artes que dão ênfase à religião usam o sufixo Hō nas suas designações, tais como: o Kenpō e o Ninpō.

A propósito, há um ponto muito interessante sobre as escolas de Ninjutsu/Ninpō. Estes termos, Ninjutsu/Ninpō, são usados hoje em dia para representar a mesma arte... Através do entendimento dos conceitos que vimos acima, somos capazes de dizer que: Ninjutsu - seria a "arte puramente técnica" e Ninpō - seria a arte que vai além do mero "modo de vida".

Então... alguém sabe nos dizer o que as pessoas praticam?

Podemos ser repetitivos, mas... é tudo uma questão de escolha (um pouco de pesquisa e conhecimento) pessoal.

Osu!
Denis Andretta

--------------------

Referências:

GOULART, Joséverson. Jutsu, Dō & Hō. Disponível em: <http://groups.msn.com/ShinseiKaiShito-RyuKarate-Do/>. Acesso em: 10 de Março de 2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Destaque

Entrevista com Kenzō Mabuni

Kenzō Mabuni 1. Quando teu pai começou a praticar Karate? Quando tinha 13 anos.  2. Quem foram seus professores? Itosu Sensei e Hig...